[07.08.2017] Desenvolvimento de jogos, maquetes e mapas

A visita foi o ponto de partida para, na segunda aula, iniciarem as discussões sobre a elaboração dos dispositivos de dialógicos a serem utilizados na reunião marcada com coordenação e moradores para o dia 10/08/2017. Para se elaborar os diferentes dispositivos, a turma foi dividida inicialmente em quatro grupos: Grupo 1: elaboração da maquete e de uma malha qualificada do terreno da Eliana Silva, a partir de atributos físicos e sensoriais mapeados pelos alunos na visita ao local; Grupo 2:  elaboração do mapa do entorno e identificação de equipamentos públicos e coletivos da região; Grupo 3: elaboração da maquete do ônibus doado; Grupo 4:  construção de jogos, articulados com os mapas e maquetes elaboradas pelos demais grupos, que provoquem discussões sobre os  temas: relações dos moradores da ocupação com os moradores do entorno, demandas existentes, habilidades técnicas e recursos disponíveis na ocupação, estrutura e organização do MLB e sua articulação a cidade, etc. Além disso, pretende-se que a partir de um dos jogos construídos seja feita a ampliação do repertório de possibilidades para o ônibus e para o espaço a ser criado com a sua implantação no terreno. Os alunos tiveram a liberdade de escolher o grupo de acordo com seus interesses e afinidades com o tema; a construção dos instrumentos foi pensada a partir dos recursos disponíveis e das formas de representação que os estudantes acreditaram proporcionar maior diálogo e interação. Dessa forma, os dispositivos elaborados se deram da seguinte forma: Grupo 1:  uso de recursos como papelão, e madeirite, disponíveis dentro da própria Escola de Arquitetura e Design. Para poder se pensar na topografia do terreno, optou-se...

Dispositivos e jogos

Uma das atividades iniciais consistiu na criação, pelos alunos da disciplina, de dispositivos e jogos que permitissem o diálogo com as moradoras da Tina Martins. O objetivo dessa ação era conseguir mapear e levantar, de forma coletiva e colaborativa, os usos, as atividades, as potencialidades e as fragilidades presentes na casa e no espaço a ser reformado....

Indisciplinar participa da marcha de 1 ano do rompimento da barragem de Fundão

A pesquisadora mestranda Paula Guimarães, orientanda da professora Natacha Rena, acompanhou a marcha “1 ano de lama, 1 ano de luta”, que seguiu de Regência-ES a Mariana-MG do domingo, 31, até o dia 02/11. Organizado pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), o ato tem como proposta a mobilização das comunidades afetadas, a busca de visibilidade para a causa e, a denúncia do crime que segue em curso. Apóia-se nas aproximações com os atingidos, nos exercícios de escuta (sentir, ouvir e relatar) e, na própria participação ativa na luta, para a construção das narrativas contra-hegemônicas, que compõem a Cartografia Indisciplinar do Rio Doce. Neste processo, identifica-se as redes de resistência, a atuação do Estado-Capital, bem como, a produção do espaço inerente ao ciclo produtivo da mineração. Estas ações integram a pesquisa de mestrado de Paula Guimarães, com a participação da aluna bolsista Gabriela Tavares e, constitui uma frente de ação do projeto extensionista Cartografias Emergentes, vinculado ao Programa IndLab. O projeto é desenvolvido em parceria com o Indisciplinar (UFOP) e GEPSA (UFOP). A programação do MAB ainda segue em Mariana até hoje, dia 05/11, com discussões relativas aos impactos socioambientais e com a apresentação dos relatos dos atingidos. Em paralelo, hoje acontece o “Seminário de Balanço de 1 ano do rompimento da barragem de Fundão” organizado pelo Gepsa-UFOP. Link do evento: https://m.facebook.com/events/964461803683118 Confira mais imagens:  ...

Diário de bordo: 31 de Maio

No dia 31 de maio o grupo discutiu sobre divulgar a ação no facebook e continuar relatos dos processos no blog. A maior discussão girou entorno da forma como convocaríamos os moradores da região, a melhor forma de divulgação. Chegou-se a conclusão de que a melhor forma de chamar as pessoas seria através de perguntas convites que instigassem e impactassem, com interrogações e conceitos. O formato seria panfletos preto e branco e os próprios pesquisadores ficaram encarregados da produção gráfica. A criação de uma rede dentro da ação que relacionasse coordenadores do laboratório com determinados moradores (influentes, cozinheiras, crianças, pedreiros) e técnicos foi ressaltado como necessário, para facilitar a comunicação.   Como algumas nascentes eram usadas para o lazer, também foi comentado a possibilidade de fazer teste de potabilidade nesses poços, em uma parceira com o ICB ou...

Diário de bordo: 24 de Maio

Na reunião do dia 24 os pesquisadores trabalharam com dados coletados a partir de uma visita no dia 23 de Maio. Na visita foi feito a medição do terreno e dos brinquedos e o parquinho foi fotografado. Com as medidas certas o grupo chegou a conclusão que há em média, uma área de 120m² e as informações possibilitaram os pesquisadores trabalharem um modelo digital mais verdadeiro do parquinho. Foi discutido possibilidades e materiais para reforma, a partir de referências de projetos anteriores da coordenadora Luciana Bragança. Brinquedos de alvenaria surgiram como uma possibilidade interessante, pela sua simplicidade de construção e alta duração. Também foi proposto a criação de listas com a demanda das atuações em determinados dias e uma lista geral para conter recursos necessários para a reforma ficar...